LinkedIn Facebook Instagram Twitter Youtube

Patrocinadores

  • OWA Brasil
  • AtenuaSom

Afiliações

  • ProAcústica - Afiliado ABNT
  • ProAcústica - Afiliado FIA - Federação Iberoamericana de Acústica
  • IIAV - International Institute of Acoustics and Vibration
  • I-INCE International Institute of Noise Control Engineering

Torne-se uma empresa associada!
Lançamento Manual ProAcústica de Acústica Básica
Documentário Amorim Lima
Vídeo Insitucional ProAcústica

Poluição sonora e do ar, os males paulistanos são...

10/09/2019 - 13:11



Poluição sonora e do ar, os males paulistanos são...
Sem começar pelos detalhes, a vida perde o valor

Fonte | Folha de São Paulo – Opinião de 08/09/19
Autoria | Miguel de Almeida - Escritor e diretor dos documentários "Não Estávamos Ali para Fazer Amigos" e "Tunga, o Esquecimento das Paixões
Conteúdo Impresso | Acesse aqui
Conteúdo online | Acesse aqui

Dia Internacional da Conscientização Sobre o Ruído
Monumento às Bandeiras ganha protetor de ouvido contra ruídos em São Paulo....

Em seus três mandatos como prefeito de Nova York, o democrata Michael Bloomberg governou a cidade com o apuro de quem se veste para um primeiro encontro amoroso. Cuidou de políticas para habitação popular em bairros sofisticados (nada da pobreza de imaginação do Minha Casa, Minha Vida) e da segurança pública com igual atenção.

Mas cuidou principalmente do bem-estar de seus patrícios. Como? Dois exemplos: proibiu o cigarro em locais públicos - a começar por parques. E proibiu a buzina. Em seus mandatos, as esquinas traziam a placa “não buzine”. Inveja…

Parece frescura? O nível de ruído numa metrópole - sempre acima dos 51 decibéis indicados como saudáveis -, além do óbvio estresse, resulta em diversas doenças e até em ataques cardíacos. Tonturas, dores de cabeça, enjoos e desânimo são outros dos males advindos com a balbúrdia mal-educada. Anos atrás, o jornal The New York Times apurou em alguns restaurantes da cidade barulho equivalente a cerca de 96 decibéis - uma furadeira elétrica.

Em São Paulo, caro leitor, deve ser pior. Caso se junte a buzina desesperada dos carros (105 decibéis), a buzina torturante dos motoqueiros e o eco dos ônibus… Meses atrás, a prefeitura lançou o Mapa do Ruído Urbano. Como tarefa, um diagnóstico sonoro de todas as áreas da cidade. Algo inédito: não há essa geografia sonora da Pauliceia. Sabe-se uma coisa ou outra, como o volume de barulho no alto trânsito do Minhocão. Estimados 70 decibéis. Ou que Pinheiros é a região mais barulhenta.

Junto com a poluição do ar, a poluição sonora é um dos grandes males de metrópoles, em especial as do terceiro mundo. Por falta de descuido e de políticas públicas permissivas, caminhar na avenida Paulista equivale a duas horas na cabeceira do aeroporto de Congonhas.

Ao contrário de outras metrópoles do primeiro mundo, as cidades brasileiras padecem de um mal bastante tupiniquim. Por obra e graça do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), desde 1997 as motos podem trafegar entre os automóveis. Para constar: em um ano tranquilo, como o de 2012, morreram 12.500 motoqueiros. FHC ofereceu aos brasileiros algo inédito até na terra da Harley-Davidson. Nos EUA, apenas a Califórnia é que permite tal modalidade de roleta-russa - e, vale registrar, em lei de 2016.

Mas São Paulo não é Nova York. Com exceções. O ex-prefeito Mário Covas criou floreiras nas ilhas das avenidas e, antes, Jânio Quadros mandou plantar árvores frutíferas - “para que voltem os passarinhos”, anotou em seu decreto municipal.

Um prefeito se preocupar com flores ou passarinhos demonstra um olhar humano sobre a cidade. Estimular prédios sem muros ou com muros de vidros - como se encontra no Plano Diretor desde 2014 - auxilia a diminuir o ruído urbano, amplia a visão e ainda oferece a fruição dos jardins internos.

Junto com a poluição sonora e a do ar, por certo as calçadas sejam outras das grandes tragédias paulistanas. Esburacadas, sem padrão, desniveladas, estreitas, são um caso de lesa-pátria. E agora o pedestre disputa seu pouco espaço com as bicicletas e as patinetes.

Detalhes, sim. Sem começar pelos detalhes, a vida perde o valor.

Miguel de Almeida


Veja também

Ruído do trânsito é o maior vilão do barulho em SP

Ruído do trânsito é o maior vilão do barulho em SP

A cidade de São Paulo é a quarta no ranking mundial do barulho. O maior vilão desta estatística é o ruído causado pelo trânsito paulistano

Por conforto acústico, escritórios exigem flexibilidade na arquitetura dos ambientes

Por conforto acústico, escritórios exigem flexibilidade na arquitetura dos ambientes

A organização de planta livre - open plan (escritórios coletivos e panorâmicos) - que dominou a arquitetura e o layout coorporativo no final da década de 50 e início dos 60 começa a ser substituído por espaços mais flexíveis e divididos por zonas ou células. Muitas vezes até por salas fechadas. Uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Pesquisa da Saúde e Segurança do Trabalho, na França, mostrou que trabalhar o dia todo exposto a conversas paralelas e inteligíveis pode gerar cansaço, stress e efeitos nefastos nos sistemas nervoso, cardiovascular e digestivo.

Debates, propostas e ações marcam a celebração de 2019 da ProAcústica

Debates, propostas e ações marcam a celebração de 2019 da ProAcústica

Representantes de entidades parceiras, empresas do setor e colaboradores, compuseram um público de mais de 100 pessoas que participaram da celebração de fim de ano da ProAcústica. Entre os convidados, Dionyzio Klavdianos, presidente do Sinduscon-DF e vice-presidente da Comat/CBIC, fez questão de frisar que o Manual ProAcústica de Acústica Básica é de suma importância, ressaltando: “se todos que constroem conhecessem o conteúdo do manual, as obras brasileiras estariam em outro patamar”.

Notícias

Aumento de barulho urbano leva cidades a procurarem soluções para mapear ruídos

Uma em cada três pessoas na Europa é exposta aos altos volumes durante o dia, e 20% não conseguem dormir bem pelo excesso de ruído


Norma de Desempenho completa seis anos: saiba o que mudou na ABNT NBR 15575

Atualmente em revisão, texto estabelece requisitos mínimos de desempenho para habitações


Agenda