LinkedIn Facebook Instagram Twitter Youtube

Patrocinadores

  • AtenuaSom
  • OWA Brasil

Afiliações

  • ProAcústica - Afiliado ABNT
  • ProAcústica - Afiliado FIA - Federação Iberoamericana de Acústica
  • IIAV - International Institute of Acoustics and Vibration
  • I-INCE International Institute of Noise Control Engineering

Torne-se uma empresa associada!
Lançamento Manual ProAcústica de Acústica Básica
Documentário Amorim Lima
Vídeo Insitucional ProAcústica

Presidente do SindusconDF aborda os impactos dos parâmetros da acústica no setor da indústria e mercado da construção

22/11/2019 - 12:21

A cadeia da indústria da construção busca aprimorar processos e soluções para alcançar os melhores patamares em produtos com desempenho acústico. O desafio atual é criar alternativas para a crise econômica e o baixo investimento, bem como aliá-las a um setor que exige produtividade, qualidade, baixo custo de produção, sustentabilidade, agilidade operacional e adaptação aos requisitos da ABNT NBR 15575.

Para tratar sobre o contexto atual da acústica no setor de incorporação e construção, o ProAcústica News entrevistou Dionyzio Antonio Martins Klavdianos, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon DF) e vice-presidente da Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade da Câmara Brasileira da Indústria da Construção - Comat/CBIC.

Klavdianos é diretor técnico da Itebra Construções e Instalações Técnicas Ltda., empresa fundada em 1973. Na Comat/CBIC ele atua para desenvolver ações e buscar soluções no campo dos materiais, sistemas construtivos, equipamentos e serviços. O objetivo é que as iniciativas resultem em melhoria da produtividade, da gestão da qualidade e da inovação tecnológica para as empresas da construção civil.

Desde julho de 2013, quando a NBR 15575 entrou em vigor, quais foram os avanços em instrumentos  para a melhoria da especificação, do projeto e da construção, no que diz respeito ao conforto acústico das edificações?

O parâmetro de acústica foi, dentre os oito abordados pela NBR 15575, o que certamente ganhou maior destaque midiático e os impactos causados ao cliente final fizeram com que a indústria investisse prontamente em materiais, elementos e sistemas, tanto de isolamento propriamente dito, como mantas, quanto na melhoria de esquadrias e elementos de vedação. Da parte dos construtores, passou-se a investir em medições em obra para certificação do desempenho das opções escolhidas. Concomitantemente, as ações citadas, consultorias especializadas e ensaios laboratoriais específicos do parâmetro foram acentuadamente solicitados.

Quais as dificuldades das construtoras em incorporar as soluções acústicas no dia a dia de seus projetos e obras para atender o que prescreve a norma?

O desconhecimento generalizado das normas específicas de acústica, da existência e da forma de contratação de ensaios laboratoriais e consultorias especializadas, a inobservância por parte de consultorias e laboratórios do atendimento às normas técnicas específicas de ensaios, o que causou perda de tempo e dinheiro em ensaios de nenhuma valia técnica.

Como o senhor enxerga o envolvimento dos agentes do mercado na incorporação efetiva da cultura de qualidade em conforto acústico, após esses anos?

Restringindo o comentário ao que convencionamos tratar-se de construção formal e legal, não resta dúvidas que o envolvimento vem num crescente à medida que a compreensão acerca dos princípios que norteiam a NBR 15575 se consolidam, as normas técnicas de acústica se atualizam, o mercado passa a oferecer materiais, elementos e sistemas de desempenho efetivo a custos mais viáveis. Cito, também, o fato de que ter sido o parâmetro mais solicitado a partir da entrada em vigor da NBR 15575, criou um caldo de cultura muito rico em torno do parâmetro, daí a evolução tornasse natural e recorrente.

Com relação à indústria fornecedora da construção civil, houve aprimoramento na caracterização de seus produtos e sistemas, por meio de ensaios que demonstrem efetivamente o desempenho?

É possível que, em função de fatores já mencionados acima, em termos de aprimoramento técnico, o segmento da acústica tenha sido o que mais evoluiu. O fato dos produtos de acústica serem intensamente utilizados em processos construtivos inovadores, preponderantemente utilizado na construção formal e de maior valor, contribuiu para maior evolução e aprimoramento de seus produtos e sistemas.

Qual foi a evolução no segmento de soluções acústicas após a implementação da Norma de Desempenho para o mercado de edificações?

Conforme já dei a entender nas demais respostas, foi o segmento que mais apresentou evolução e, melhor, provavelmente foi o mais praticado, consequentemente terá sido o que mais se tornou conhecido, o que mais contribui ainda para a difusão de conhecimento sobre o segmento. Agora, na revisão da referida norma técnica, este fato contribuirá para que eventuais revisões do texto concernente ao tema sejam efetivas.

Sobre a regionalização da NBR 15575, isto é, a norma está sendo adotada em todas as regiões do Brasil ou há regiões onde as construtoras não a incorporam em todos os seus aspectos?

A percepção que temos na Comat CBIC é que a norma está sendo adotada em todas as regiões do país. Mas está claro também que nas regiões ou mercados onde há maior número de construtoras e fornecedores em condições de investir - densidade laboratorial, proximidade com instituições de ensino e capacitação técnica -, a assimilação dos princípios da norma técnica é superior.

De acordo com um estudo do Secovi, um projeto de isolamento acústico representa, em média, 0,5% do orçamento final da obra. O mercado como um todo, hoje, entende essa importância como custo ou investimento?

A qualquer construtor do mercado formal, que tenha claro que o lucro do negócio passa necessariamente pela satisfação do cliente deve entender que trata-se de investimento, do contrário não se firmará mais ou então estará fadado a atuar num mercado onde o preço é mais valorizado do que a qualidade.

O que falta para a cultura da qualidade acústica em edificações ser vista por toda cadeia produtiva da construção e usuários como algo essencial? Nesse sentido, o senhor acha que a sociedade vem tomando consciência do seu direito ao conforto acústico dentro de casa ou no trabalho?

O construtor formal brasileiro padrão ainda é bastante azucrinado com custos indiretos que o impedem de focar naquilo que seria o coração de sua empresa, investir em qualidade técnica, produtividade, melhoria de desempenho. Esta situação ainda é mais grave para o pequeno construtor - 95% do total de construtores do país que, de forma geral precisa se preocupar mais com sua sobrevivência que com evolução -, este fato atrapalha a disseminação da cultura de qualidade como um todo e não apenas a acústica. A ação integrada de instituições representativas de cada segmento com instituições de ensino e pesquisa podem, com o passar dos tempos, ir alterando esta cultura, tornar competitivos os preços dos bons materiais e sistemas, coibir energicamente a ilegalidade e não conformidade de materiais. E, ainda, dar esclarecimentos à sociedade como um todo e ao cliente de imóvel em particular que privilegie o bom produto e despreze aquele que implique em perda da qualidade e desempenho.

Como a cadeia produtiva da construção civil pode usufruir dos conceitos de acústica básica, presentes no novo Manual da ProAcústica, para incentivar a aplicação de soluções acústicas aplicadas ao setor da construção?  

O manual em questão é introdutório. Aquele que através dele opta por aprofundar sobre o tema deverá aprimorar seus rudimentos através de enriquecimento em termos de bibliografia especializada, aquisição de normas técnicas, citadas no manual, e proximidade com bons consultores da área. O construtor ou projetista pode, também, participar de eventos técnicos e procurar se associar ao sindicato da construção onde a possibilidade de travar conhecimento com uma diversidade grande de atores da construção é maior.  Vale para qualquer tipo de conceito, não apenas de acústica.  

Veja também

25

Por conforto acústico, escritórios exigem flexibilidade na arquitetura dos ambientes

Por conforto acústico, escritórios exigem flexibilidade na arquitetura dos ambientes

A organização de planta livre - open plan (escritórios coletivos e panorâmicos) - que dominou a arquitetura e o layout coorporativo no final da década de 50 e início dos 60 começa a ser substituído por espaços mais flexíveis e divididos por zonas ou células. Muitas vezes até por salas fechadas. Uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Pesquisa da Saúde e Segurança do Trabalho, na França, mostrou que trabalhar o dia todo exposto a conversas paralelas e inteligíveis pode gerar cansaço, stress e efeitos nefastos nos sistemas nervoso, cardiovascular e digestivo.

Presidente do SindusconDF aborda os impactos dos parâmetros da acústica no setor da indústria e mercado da construção

Presidente do SindusconDF aborda os impactos dos parâmetros da acústica no setor da indústria e mercado da construção

A cadeia da indústria da construção busca aprimorar processos e soluções para alcançar os melhores patamares em produtos com desempenho acústico. O desafio atual é criar alternativas para a crise econômica e o baixo investimento, bem como aliá-las a um setor que exige produtividade, qualidade, baixo custo de produção, sustentabilidade, agilidade operacional e adaptação aos requisitos da ABNT NBR 15575.

A acústica ganha relevância no mercado hoteleiro com mudanças no comportamento do público

A acústica ganha relevância no mercado hoteleiro com mudanças no comportamento do público

Ligada diretamente à sensação de conforto e privacidade dos ambientes de hotéis a acústica ganha mais relevância já que a mudança no perfil do comportamento do público e suas exigências aumentam a cada dia.

Notícias

Aumento de barulho urbano leva cidades a procurarem soluções para mapear ruídos

Uma em cada três pessoas na Europa é exposta aos altos volumes durante o dia, e 20% não conseguem dormir bem pelo excesso de ruído


Norma de Desempenho completa seis anos: saiba o que mudou na ABNT NBR 15575

Atualmente em revisão, texto estabelece requisitos mínimos de desempenho para habitações


Agenda