LinkedIn Facebook Instagram Twitter Youtube

Patrocinadores

  • OWA Brasil
  • AtenuaSom
Torne-se uma empresa associada!
Vídeo Insitucional ProAcústica
INAD SP 2018 | Mapa de Ruído Urbano - Projeto Piloto SP
Documentário Amorim Lima

Afiliações

  • ProAcústica - Afiliado ABNT
  • ProAcústica - Afiliado FIA - Federação Iberoamericana de Acústica
  • IIAV - International Institute of Acoustics and Vibration
  • I-INCE International Institute of Noise Control Engineering

Uma história que completa 40 anos

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Uma trajetória profissional de 63 anos junto à indústria, arquitetura e engenharia. Esse é o histórico de Schaia Akkerman, que estudou engenharia mecânica eletricista, em 1952 e, engenharia civil, em 1955, na Politécnica da USP. Em 1954, começou a trabalhar no departamento de Energia Elétrica Estadual e ingressou na indústria de materiais de construção, nas áreas de acústica e térmica. A empresa própria, a Acústica Engenharia, surge em 1977, em sociedade com arquitetos. Schaia participou da elaboração de inúmeras normas junto à ABNT, à prefeitura de São Paulo, à Cetesb e ao Conselho Nacional do Meio Ambiente da Secretaria do Meio Ambiente. Produziu cerca de 5 mil projetos de acústica e controle de ruídos para fábricas, residências, teatros, cinemas, aeroportos, escolas, escritórios, hotéis e hospitais. É membro das entidades americanas Acoustical Society of America e Institute of Noise Control Engineering e sócio fundador da ProAcústica, Associação Brasileira para a Qualidade Acústica.

A Acústica Engenharia (Akkerman Alcoragi Acústica Ideal) ostenta um portfólio com nomes expressivos do empresariado brasileiro. Ao lado dos diretores, os arquitetos Sergio José Akkerman, Fernando Medeiros Alcoragi e Cláudio Makoto Ando, o fundador da Akkerman Alcoragi fazem projetos de controle de ambientes, medições sonoras e simulação eletrônica de cenários, com software de última geração. Durante a entrevista, Akkerman lembrou de projetos como o teatro Abril Paramount, com arquitetura de Aflalo Gasperini. Lá foi executada a acústica de interiores e a proteção do ruído externo; do banco Safra, com acústica das fachadas e conforto interno, entre 1990 e 2017; e do hospital Samaritano, situado entre edifícios residenciais, o que exigiu tratamento acústico para não perturbar os vizinhos.

O senhor e o seu escritório promoveram a publicação de dois livros – Acústica, Questão Ambiental e Akkerman Alcoragi Acústica Ideal. Poderia falar sobre as ideias, discussões e a repercussão dos livros?

Estes dois livros exibem com bastante clareza a posição elevada que a empresa Acústica Engenharia (Akkerman Alcoragi Acústica Ideal) ocupa no cenário das soluções acústicas que o mercado solicita. As publicações foram muito significativas pois os exemplares se esgotaram. Uma experiência de 40 anos em acústica está nesses livros para ser entendida.

Com tanto tempo de experiência, o senhor acompanhou as mudanças tecnológicas ao longo de meio século. Qual era a situação da acústica em 1977?

Em 1977, poucos empresários se interessavam em soluções acústicas nas edificações da construção civil. Até o ano 2000, era reduzido o número de empresas que produziam materiais para serem utilizados em obras. Já existiam a lã de vidro, lã de rocha e a fibra de madeira. Com o advento mais intenso da industrialização e abertura de mercado para os importados, o cenário mudou e hoje temos grande procura de soluções para conforto: bem-estar, sigilo, saúde, privacidade ou lazer em áreas ocupadas pelo homem.

E a indústria de produtos e materiais acústicos? Como evoluiu nesses 40 anos?

A evolução possibilitou aperfeiçoar paredes acústicas em drywall e materiais como fibras de borracha e sanduíches de madeira com placas de cimento. Foram abolidos produtos tóxicos e combustíveis como asbestos. Apareceram produtos como lã de PET (polietileno tereftalato), sprays de produtos incombustíveis e produtos de laminados incombustíveis. O surgimento de equipamentos ruidosos como os chillers de ar-condicionado incentivou o mercado de soluções acústicas e de produção de novos materiais para serem aplicadas no controle e na redução dos ruídos e vibrações. Foi assim que evoluiu.

A maioria da população não consegue evitar que o ruído urbano ultrapasse as envasaduras das casas e apartamentos. Em outros países se fala em tecnologias que minimizam esse drama. A Coreia do Sul acaba de anunciar uma janela acústica que não impede a passagem de ar. Que outros exemplos nos daria?

Soluções engenhosas como a redução “ativa” das ondas sonoras fazem com que a geração de uma onda de vibração de moléculas de ar se contrapõem a outra onda em sentido contrário que resulte na redução quase total do som audível. O progresso da tecnologia pode fazer milagres com aperfeiçoamento dessas práticas, inclusive com materiais acústicos recicláveis como de fibras de borracha de pneus e de garrafas de plástico.

Muita coisa mudou, mas a acústica enquanto recurso de conforto continua um privilégio das edificações para um público de maior poder aquisitivo. Isso vai mudar no futuro? Depende só das incorporadoras?

O advento da norma ABNT NBR 15575, de desempenho habitacional, do ano de 2013, possibilitou prever-se o aumento do conforto ambiental nas áreas residenciais, pois o que estava acontecendo com as empresas construtoras era grave. A adoção de lajes de piso de espessuras insuficientes e paredes divisórias de baixo isolamento do som aéreo e som de impacto estava agravando o desconforto, que agora está sendo corrigido.

O senhor já comentou que algumas indústrias, bares ou restaurantes geram um barulho insuportável. Estamos falando de ruído de dentro para fora. Mas e o ruído no interior desses ambientes?

O ruído no interior dos ambientes, que requerem mais atenção quanto à propagação dos sons em locais como escolas, áreas de trabalho e residências, passou, na última década, a ser considerado como um fator importante para a obtenção do conforto e da saúde. A adoção de materiais de construção modernos e apropriados promove a isolação entre ambientes. A absorção sonora obtida pela adoção de forros acústicos também colabora para a diminuição do ruído. E tudo isso incentiva, de forma significativa, a indústria de materiais de aplicação em tetos, pisos e paredes, além de reduzir problemas causados pela vibração de máquinas em geral e as do ar-condicionado.

E a discussão sobre o mapa de ruído na cidade de São Paulo. Qual é a sua visão sobre isso?

O mapa de ruído para cidade de São Paulo é uma reivindicação da sociedade que não está encontrando respaldo por parte dos governantes e políticos. Os problemas econômicos que o País atravessa têm afetado o interesse governamental em efetivar esse procedimento muito importante para a população exposta à geração e propagação dos ruídos dentro e fora das áreas onde habitam e trabalham. O ruído nas ruas, devido ao tráfego, tenderá a ser reduzido com advento dos veículos elétricos. De outra forma, é também um problema político do governo que quer começar e terminar o empreendimento, na ânsia de exibir o mapa como iniciativa e realização desta gestão.

Em São Paulo existe uma lei que proíbe o uso de carros de som publicitário e de áudio em veículos particulares. Nos últimos tempos, os vendedores ambulantes têm instalado geradores na rua para ligar a máquina de espremer suco de laranja. Os problemas de acústica ambiental parecem não ter fim. O que fazer?

O uso de carros de som publicitário e situações semelhantes têm que ser fiscalizada pelas autoridades de governo. Se o governo não tem interesse, a sociedade tem que se mobilizar para reivindicar essa autuação.

Como o senhor encara a total indisciplina do próprio poder público como gerador de ruídos sem controle, como obras públicas e de sistemas de transportes públicos?

É na realidade uma questão de ignorância e despreparo cultural. Os meios de comunicação poderiam ajudar nessa correção.

Pensando na formação de novos profissionais para a área de acústica, qual a sua recomendação para um estudante interessado em uma especialização? Qual a formação ideal? Quais os cursos complementares? No Brasil ou no exterior?

Os novos profissionais no campo da acústica encontram várias alternativas de cursos com especialização no Brasil, tais como a Universidade de Santa Maria, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, as duas no Rio Grande do Sul; a Universidade de Santa Catarina, em Florianópolis, Santa Catarina; e os cursos livres da USP aqui em São Paulo. As oportunidades de realização desses cursos oferecem os conhecimentos necessários para a formação acústica e de controle de vibrações que exigem dedicação plena durante dois a três anos. Vêm se formando assim, profissionais de alta qualidade no campo da acústica urbana e ambiental residencial, industrial e no tráfego de veículos aéreos e de superfície. Não há necessidade de ir estudar no exterior para adquirir capacitação profissional acústica. O que precisa é força de vontade de querer estudar a sério e de forma participativa.

Veja também

25

Novas diretrizes europeias para o ruído ambiental são divulgadas pela OMS

Novas diretrizes europeias para o ruído ambiental são divulgadas pela OMS

A OMS e as comunidades de projetistas acústicos alertam para os distúrbios diretos e indiretos causados pelo desconforto sonoro. Além das fontes tradicionais, novos aparelhos e equipamentos geradores de ruído como as turbinas eólicas, os drones e o lixo sônico ocupam o espaço terrestre e aéreo.

Complexo hoteleiro e de escritórios, Cidade Matarazzo, contrata monitoramento de impactos de pressão sonora e vibrações

Complexo hoteleiro e de escritórios, Cidade Matarazzo, contrata monitoramento de impactos de pressão sonora e vibrações

A Giner trabalha no monitoramento dos níveis de pressão sonora do megaempreendimento, a uma quadra da avenida Paulista, e, desde setembro, aos de vibração, o que inclui relatórios mensais de impactos de vizinhança.

Barulho em restaurantes desperta debate sobre conforto acústico

Barulho em restaurantes desperta debate sobre conforto acústico

O setor de restaurantes cresce junto com o barulho e um tumulto ensurdecedor, tanto interno como externo. Existe um grande desconhecimento do público: o usuário sente cansaço mas não tem ideia que a origem da fadiga pode ser o excesso de ruído. De maneira geral, parece indiscutível que a acústica deve responder a duas situações: o isolamento e o condicionamento acústicos. O isolamento deixa do lado de fora o ruído de ambientes ao redor do restaurante, advindos da rua ou de vizinhos. Para a atenuação, portas e janelas acústicas protegem as aberturas e vãos

Notícias

Princípios básicos de Acústica: Por que os arquitetos não deveriam deixar tudo para os consultores

Mais da metade da população mundial vive em áreas urbanas densas. Restaurantes, lojas, hotéis ou escritórios desconfortavelmente barulhentos são suficientes para manter os clientes afastados. Ao planejar uma reunião ou mesmo sair à noite com amigos, estamos conscientes de selecionar um local onde possamos nos concentrar e ouvir um ao outro. Quanto mais barulhento fica nosso mundo, mais difícil é nos concentramos nos sons que realmente queremos ouvir.


Audição de mais de 1 bilhão de jovens está ameaçada, alerta OMS

Entidades apresentam novos padrões para que empresas possam controlar volume de som em celulares e aparelhos


Agenda