Patrocinadores

  • Harmonia
  • OWA Brasil
  • AtenuaSom
Vídeo Insitucional ProAcústica
Assista ao documentário do INAD SP 2017
Torne-se uma empresa associada!
Documentário Amorim Lima

Afiliações

  • ProAcústica - Afiliado ABNT
  • ProAcústica - Afiliado FIA - Federação Iberoamericana de Acústica
  • IIAV - International Institute of Acoustics and Vibration
  • I-INCE International Institute of Noise Control Engineering

O andamento das normas de acústica

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Uma mesa redonda reuniu os representantes da ABNT e da ProAcústica para uma troca de ideias sobre o andamento das normas de desempenho acústico. O debate técnico e político em torno das normas de acústica como NBR 10151, sobre ruído comunitário, a NBR 10152 sobre ruído interno, a NBR 16425, sobre ruídos de sistemas de transportes, repercutem no mercado e entre as empresas associadas da ProAcústica. Para levantar algumas questões o ProAcústica News reuniu o coordenador da comissão de Desempenho Acústico de Edificações da ABNT, Krisdany Vinícius Cavalcante, o coordenador do Comitê de Acústica Ambiental da entidade, Marcos Holtz, e o físico, ex-pesquisador do IPT, consultor e representante da ProAcústica para assuntos ABNT, Peter Barry,  numa teleconferência em São Paulo e Belo Horizonte.

Marcos Holtz, Krisdany Cavalcante e Peter Barry

O debate, as discussões, a publicação, consulta nacional e as revisões sobre as normas de acústica como NBR 10151, sobre ruído comunitário, a NBR 10152 sobre ruído interno, de fonte ferroviária (que deve ser reprovada) e aeronáutica, a NBR 16425, sobre ruídos de sistemas de transportes, repercutem no mercado e entre as empresas associadas da ProAcústica. Para levantar algumas questões o ProAcústica News reuniu o coordenador da comissão de Desempenho Acústico de Edificações da ABNT, Krisdany Vinícius Cavalcante, o coordenador do Comitê de Acústica Ambiental da entidade, Marcos Holtz, e o físico, ex-pesquisador do IPT, consultor e representante da ProAcústica para assuntos da ABNT, Peter Barry,  numa teleconferência em São Paulo e Belo Horizonte.

Krisdany Cavalcante - coordenador da comissão de Desempenho Acústico de Edificações da ABNTSegundo Krisdany Cavalcante, a partir de 2012, a forte demanda por normas criou, dentro da ABNT, a necessidade de organizar um comitê que unificasse as diferentes comissões de acústica – no comitê automotivo, de construção civil, argamassas e cimentos ou diferentes tecnologias. Em 2013, o volume de trabalho cresceu e mobilizou o grupo de pessoas do comitê, a Sobrac, as universidades e empresas de cada setor. Assim, naquele ano, foi implantado o Comitê de Estudos Especiais de Acústica, o CEE 196. Já existia uma comissão de desempenho acústico que pertence ao Comitê Brasileiro da Construção Civil que vinha discutindo a NBR 10151 e a NBR 10152. Com a publicação da norma de desempenho acústico residencial, houve uma mudança de paradigma que mobilizou os profissionais, empresas e entidades no setor da construção civil. A NBR 10152 foi aprovada para publicação em meados de junho último e a NBR 10151 segue para consulta nacional. A NBR 16425, sobre a avaliação de ruídos originados por sistemas de transportes, teve a parte 1 publicada e já é norma, a parte 2 está em consulta nacional e a parte 4 já terminou a consulta nacional.

Marcos Holtz - coordenador do Comitê de Acústica Ambiental da ProAcústicaA atribuição da norma técnica tem caráter voluntário mas como existe o código de defesa do consumidor numa demanda judicial sobre produto ou serviço, ocorre um questionamento no meio social que pode forçar o setor de acústica a procurar a elaboração de normas e, depois, a norma de certificação. Numa outra etapa, os produtos e serviços ligados aos imóveis, assim como os equipamentos, podem encaminhar a constituição de selos. Para Marcos Holtz, a compra e venda de um imóvel que atende à norma pode ficar numa situação desamparada pelo NBR 10151 se, a partir de um determinado momento, no local onde está implantado o imóvel, começa a passar um trem ou outros modais que podem prejudicar a abrangência da norma sobre ruído comunitário.

A proposta é criar um vínculo da NBR 10151 com todas as normas que estão sendo preparadas sobre transportes. Do ponto de vista jurídico, o legislador poderia mudar tanto uma resolução do Conama Conselho Nacional do Meio Ambiente como a lei municipal, mas não seria recomendável criar divisões porque o Conama considera esta norma como de parte única. Portanto, o setor pode optar por não alterar a estrutura da NBR 10151 para evitar que o Conama tenha de fazer uma revisão da norma.

Ocorre que algumas resoluções do Conama, da década de 90, estão desatualizadas e confusas. A ProAcústica poderia pressionar Brasília para rever essas resoluções? Para Krisdany Cavalcante, a preocupação é pertinente, mas tem de ser encaminhada com cautela para não prejudicar o debate técnico envolvendo todos os setores. No fórum do Conama, o debate assume um aspecto político que se sobressai sobre o viés técnico. Seria incorreto fazer isso antes de a norma estar pronta e revisada. Como o Conama toca na questão do ruído de construção civil que, por um jogo de palavras errado pode caracterizar a NBR 10152 para ruído interno para os edifícios construídos; ou, um jogo de palavras, na mesma frase, se trocar a referência da NBR 10151 para a NBR 10152, poderíamos entender que a NBR 10151 avalia a aplicação para ruído de obra da vizinhança. Na esfera do Conama não há debate técnico. Tem o interesse e o peso dos setores com representação política no Conama.

Peter Barry - físico, ex-pesquisador do IPT, consultor e representante da ProAcústica para assuntos ABNTO consultor Peter Barry lembrou que, em relação ao ruído, o setor de bares e restaurantes, junto com os vereadores, levou a discussão por um caminho decepcionante, mas na construção civil, o jogo foi diferente e houve até uma certa sensatez. Uma das primeiras diretrizes, recordou Barry, foi uma norma do IPT de 1974 que chegou a ser implementada e a funcionar. Mais tarde, o então prefeito de São Paulo queria pôr em prática uma legislação acústica. Embora ele tenha usado uma norma ISO, a revisão de 2000 deveria ter sido a implantação da norma de 1974, na visão de Barry. Só que ele saiu apenas com uma lei sobre a medição interna de ruído. Na Europa, existem entidades supranacionais que têm o poder de obrigar o cumprimento das normas.

Na opinião de Krisdany Cavalcante, o caso de São Paulo pode servir de referência para as outras cidades do Brasil. As leis municipais podem citar a NBR 10151 como critério para compatibilizar o uso do solo, o plano diretor e as faixas previstas para harmonizar com o interesse da saúde. O legislador municipal tem de lidar com as pressões de igrejas, bares, restaurantes e propaganda política em período eleitoral e o interesse econômico de financiamento de campanha se sobrepõe aos argumentos técnicos. Por isso, é interessante o Projeto de Lei 75/2013 Mapa do Ruído Urbano de autoria dos vereadores Aurélio Nomura e Andrea Matarazzo, para diminuir o barulho na cidade de São Paulo. Mas falta uma diretiva e a ABNT tem poder limitado. O papel da ProAcústica ganha relevância nesse trabalho de conscientização por parte das comunidades, com eventos como o Dia Internacional da Conscientização Sobre o Ruído, palestras nas Câmaras Municipais, conquista de espaço em programas de TV e na mídia.

Cavalcante salientou durante a teleconferência que, hoje, nada será aprovado na instância legislativa sem apoio ou a influência de assessores parlamentares. Os vereadores e deputados só votam se houver uma contrapartida, por isso é fundamental juntar a base, trabalhar com o setor público porque as demandas chegam às prefeituras, mas não alcançam o ministério público. As questões municipais merecem respeito. No Rio de Janeiro existem os ensaios de escolas de samba, em Salvador, o município precisa organizar o roteiro dos trios elétricos. Sem esse trabalho de base, a mobilização pelo silêncio perde força.

Veja também

25

Inad desperta São Paulo para o incômodo do barulho

Inad desperta São Paulo para o incômodo do barulho

O dia da conscientização sobre os graves problemas da poluição sonora, este ano, trouxe uma veia bem humorada. A famosa escultura de Victor Brecheret, o Monumento às Bandeiras, no Parque do Ibirapuera, amanheceu com fones auriculares de proteção para lembrar que a sociedade civil busca soluções de combate às diversas formas de perturbação acústica sem abrir mão da leveza. O secretário do Verde e Meio Ambiente de São Paulo, Gilberto Natalini, colocou a poluição sonora – que ele chamou de sexta modalidade da poluição, ao lado da poluição da água, ar, solo, visual e climática – na pauta da política pública do município. “Vamos treinar nossas equipes para trabalhar no combate a esse problema. E isso tem que estar na pauta do prefeito e das outras secretarias”.

O grande incômodo da poluição sonora

O grande incômodo da poluição sonora

A arquiteta e urbanista formada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, Heloisa Proença, atual secretária Municipal de Urbanismo e Licenciamento - SMUL, acumula mais de três décadas envolvida com planejamento urbano e gestão pública. Além de consultora, discorre com frequência, como conferencista, sobre temas ligados à política urbana, estatuto da cidade, plano diretor, legislação urbanística, solo criado, operações urbanas, adensamento versus infraestrutura, parcerias públicas com o setor privado, zoneamento e mercado imobiliário, securitização do direito de construir e avaliação do potencial de construção. Nesta entrevista ao ProAcústica News, Heloisa Proença, se alinha com os cidadãos e as entidades que trabalham por uma cidade “menos estressante, mais amigável e com melhor qualidade de vida para os habitantes”.

Ilha ProAcústica faz sucesso na Feicon 2017

Ilha ProAcústica faz sucesso na Feicon 2017

Empresas de produtos, serviços e soluções acústicas, representadas pela ProAcústica, participaram da maior feira da construção civil do país, a Feicon Batimat 2017 com um estande institucional de integração e convivência. Pela primeira vez, a ProAcústica ocupou um espaço relevante, apresentando um túnel sensorial contrastando espaços com e sem tratamento acústico

Notícias

Multas por barulho do programa Psiu despencam no início da gestão Doria

O prefeito João Dória (PSDB) mandou um recado enfático no começo de fevereiro, ao participar de uma blitz da lei do barulho, que lacrou um bar no Tatuapé (zona leste de São Paulo): "Isto a partir de agora serve de alerta para os donos de estabelecimentos. A lei do Psiu agora volta, e volta para valer".


A paz em meio ao barulho na vizinhança

Isolamento acústico nas paredes, janelas e chão são algumas das soluções para conviver com o caos contínuo


Agenda